Procurar
Close this search box.

Hemisférios, de Teresita Raffray em exposição

Em « Hemísférios » Teresita Raffray mostra-nos os dois lados diferentes, mas interdependentes, da sua prática artística, utilizando a técnica da aguarela e da colagem.

Na aguarela a artista realiza um estudo metódico da cor pretendendo responder a certas interrogações que a preocupam sobre a representação pictórica do mundo que a rodeia, um estudo que culmina em diferentes e belos trabalhos de composição abstracta.

Aqui a cor não tem uma expressão única, mas dilata-se, apodera-se de territórios vizinhos, tentando definir-se como se fosse um espelho de introspecção da própria artista.

Teresita interessa-se pelas infinitas possibilidades de manchas produzidas pelo pigmento e pela água, dois elementos que podem ser controlados ou deixados ao acaso e pelas composições que apresentam, um diálogo entre formas orgânicas, uma geometria imperfeita, linhas e aguadas transparentes.

A aguarela torna-se a principal protagonista desta exposição, onde as ondas de cor assumem um papel de enorme relevo pelo seu valor estético e artístico.

Demonstrando que a cor pode ser modificada através de uma sobreposição de tonalidades, por malhas de sombra, ou até mesmo pela colocação de elementos simples com a linha em repetições paralelas, a artista cria imagens poderosas num trabalho que de certo modo poderá comparar-se à interpretação harmoniosa  de uma sinfonia musical reproduzida em diferentes instrumentos.

As múltiplas tonalidades de uma mesma cor, a forma como a artista intervém e as reproduz, fazem a apologia do pormenor na construção das suas obras.

Na obra, sem título, (políptico) reunindo peças cromáticas independentes num único quadro de efeito visual marcante a artista percorre todo o espectro da sua paleta. É o resultado de um estudo investigativo da temperatura e do tom da cor.

Teresita diz-nos que este seu trabalho é uma homenagem ao grande compositor Johann Sebastian Bach e à sua obra “O Cravo Bem Temperado”. 

J.S.Bach, através da sua experiência musical, utilizando  48 prelúdios e tons musicais em diferentes escalas, deixa um legado ao mundo da música e aos jovens compositores que a interpretam. Na música, a técnica do contraponto, utilizada por Bach criou um efeito harmónico que é ainda usado nas criações musicais dos nossos dias.

O outro aspecto do trabalho de Teresita são as colagens onde a intuição é o seu guia. Nelas procura chamar a atenção do espectador, preenchendo com cor os limites entre objetos reconhecíveis e situações perturbadoras ou estranhas.

 O seu objetivo é dizer coisas sem as nomear, optando por fragmentar objetos e corpos, a fim de desafiar a nossa ideia da realidade, bem como os padrões de beleza que a sociedade de hoje nos impõe. A aquarela é usada como pano de fundo para esses mundos de fantasia.

Nesta exposição, Hemisférios, onde se destacam duas importantes vertentes, o aspecto técnico, sistemático e ordenado por um lado mas também a criatividade experimental por outro, damos a conhecer ao público as obras de Teresita Raffray, para que sejam apreciadas não apenas num ambiente de mestres em que as teorias da cor e da técnica são discutidas em dissertações filosóficas, mas onde caberá a todos os amantes da arte a tarefa de julgar e criticar, numa perspetiva menos didática, o trabalho artístico de Teresita Raffray.   

Yolanda Couto

Curadora

CONTINUE LENDO

A Fundação Fernando Leite Couto lançou a colecção Quintal dos Sonhos, um conjunto infanto-juvenil de livros, audiolivros e videolivros. A…

“Compêndio para desenterrar nuvens” é o novo livro de contos do escritor Mia Couto, publicado sob a chancela da Fundação…

No more posts to show

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PESQUISAR

CATEGORIAS

Noticias

Arte

Cultura

Literatura

Festival

Noticias

POPULARES

Facebook