VENTRE TRIANGULAR

Exposição Colectiva de Pintura de Matsinhe, Macicame e Chaná de Sá

2 Set 18h00
VENTRE TRIANGULAR

O nome deve-se ao facto de se reunirem nesta colectiva três artistas moçambicanos da província de
Inhambane que conviveram e trabalharam criativamente as suas obras, analisando a linguagem da pintura.
O que os inspira é essa energia, essa fonte de fertilidade e criatividade é esse centro de circulação energética.
Três artistas com percursos diferentes, entre os quais dois nomes sobejamente conhecidos, como é o caso
de Sebastião Matsinhe e Chaná de Sá reúnem-se ao jovem Amilton Macicame que expõe pela primeira vez.
O tema, não é o foco principal, é antes a forma como cada um o desenvolve no seu âmago, através de uma
entidade própria e da autonomia no tratamento do assunto.
Os artistas, pintam momentos fugazes da sua vida, percorrendo a sua memória.
Inicialmente autodidacta, Amilton Macicame, manifestando liberdade e ousadia, foi acarinhado e apoiado
pelos dois artistas.
Macicame cria um simultâneo de imagens sobrepostas, onde se destaca a figura que emana no centro e
que invade, de modo expansivo, a superfície pintada, desvendando situações imprevistas do quotidiano.
Matsinhe com uma pintura livre de cânones, plena de imagens abstractas e cores vibrantes, brinca com
linhas realistas e formas ambíguas. Tomando como ponto de partida a realidade visível, procura a harmonia
e o encontro entre a paisagem e a natureza humana.
Chaná de Sá, suaviza as suas imagens, retirando-lhes agressividade através do traço curvilíneo que
utiliza com mestria, dando às suas obras um sentimento amoroso, que é, por vezes, sulcado de gestos
provocatórios.
Nesta colectiva a três mãos, as telas representam um mundo de histórias que nos rodeiam, reunindo formas,
objectos e sujeitos insólitos.
Através destas narrativas pictóricas, os artistas conjugando acertadamente os elementos das suas obras,
levam-nos a visitar lugares que reflectem a sua aproximação ao meio ambiente, à busca de contacto com
a terra onde nasceram e à expressão do seu povo.

Yolanda Couto