A BOCA

Peça inspirada no que aconteceu a Carlos Cardoso, Siba Siba Macuacua ou Gilles Cistac / Companhia de Artes Makwerhu

27 Mar 18h00
A BOCA

A BOCA – uma peça teatral escrita por um jovem artista moçambicano conhecido por Estreanty, que veio a conhecer as artes cénicas através do grupo teatral Makwerhu do bairro de Mavalane B em 2003. De 2005 a 2009, o jovem participou de diferentes oficinas com duração de uma a três semanas, organizadas por diferentes ONG maioritariamente com objectivo de formar actores-activistas. A partir de 2011, Estreanty começa a frequentar o Centro Cultutal Franco-Moçambicano, onde participou em diferentes oficinas de artes cénicas como malabarismo, dança, teatro, magia, pernas de pau, acrobacias, marionetes… 

A BOCA, é um dos resultados desse trajecto. Uma obra cenicamente pelada (segundo Grotowisk – teatro pobre), onde o corpo humano é varias vezes usado para criar o cenário. O ritmo é muito enriquecido pela flexibilidade dos actores, cantando e dançando.

Em termos de conteúdo, A BOCA fala da liberdade de expressão e suas consequências no mundo, em particular sobre o ponto de vista político. Quem nos faz viajar nesse mundo é o personagem Jhotamo, que é um jovem de 25 anos apaixonado pelo jornalismo porém formado na área de medicina pela mais reconhecida universidade pública do país. No dia da sua graduação, Constantino, jornalista e pai do Jhotamo, é morto a tiros. O desejo de vingança e sua paixão pelo jornalismo, fazem Jhotamo abandonar a sua área de formação e ocupar o posto do pai na redacção. Amigos do pai o aconselham a não tocar nesse assunto, destacando os perigos, e o aconselham a divulgar apenas notícias de desporto. Mas Jhotamo insiste e aventura na esperança de divulgar a identidade do assassino do pai.

 

Elenco:

Encenação e texto: Estreanty

Actores: Danito Banze, Orlas Intimane, Jeff Maria, Cesaria Vuendo, Jhon Thomas, Festinhas.